Breaking news

POR HELVÉCIO CARDOSO – Quem são os “esquerdistas legítimos” e como combatem deslealmente o PT

Quem são os “esquerdistas legítimos” e como combatem deslealmente o PT

O momento de re­a­gru­par­mos as for­ças e ini­ci­ar a re­sis­tên­cia de­mo­crá­tica

Postado por Helvécio Cardoso em 29 de outubro de 2018 às 21h29

 

Vi­rou mo­da co­brar au­tocrí­ti­ca. To­dos, ago­ra, te­mos que fa­zer au­to­crí­ti­ca, me­nos os que exi­gem que fa­ça­mos au­tocrí­ti­ca. E to­dos co­bram do PT um au­to de fé, uma au­to-hu­mi­lha­ção pú­bli­ca. En­tres os co­bra­do­res de au­to­crí­ti­ca, es­tão al­guns no­tó­rios di­rei­tis­tas tra­ves­ti­dos de es­quer­dis­tas que se au­toin­ti­tu­lam a “es­quer­da le­gí­ti­ma”. Des­ses rí­di­cu­los “es­quer­dis­tas lé­gí­ti­mos” cu­i­da­rei de­pois. Va­mos, em pri­mei­ro lu­gar, tra­tar de al­go mais sé­rio e, ain­da, me­re­ce­dor de al­gum res­pei­to.

Vou fa­lar do PDT. Não de to­do o PDT, mas de sua cú­pu­la e de seu can­di­da­to.

A cú­pu­la do PDT quer que o PT fa­ça au­to­crí­ti­ca, que ad­mi­ta “seus er­ros”. É cla­ro que nem o PDT nem Ci­ro Go­mes, e seu ir­mão Cid Go­mes – elei­to com vo­tos pe­tis­tas do Ce­a­rá – es­tão dis­pos­tos a fa­zer au­to­crí­ti­ca de na­da. Ci­ro e seu PDT fo­ram per­fei­tos! Fi­ze­ram tu­do cer­ti­nho! Mas o PT – es­te ma­lé­vo­lo PT – pôs tu­do a per­der. Es­te PT pe­tu­lan­te que nun­ca re­co­nhe­ceu em Ci­ro Go­mes o mes­tre dos mes­tres, a su­mi­da­de das su­mi­da­des, pre­fe­riu con­ti­nu­ar in­sis­tin­do em su­as pró­pri­as can­di­da­tu­ras a le­van­tar bem al­to a ban­dei­ra do pe­de­tis­mo.

Mas, se es­te mes­mo PT não cur­vou nem a Bri­zo­la, que foi um gi­gan­te, iria mes­mo se cur­var di­an­te de um anão co­mo Ci­ro Go­mes? E os co­bra­do­res de au­to­crí­ti­ca di­zem que Ci­ro era o úni­co que po­de­ria der­ro­tar Bol­so­na­ro num se­gun­do tur­no. A se­nho­ra Ká­tia Abreu, es­ta ar­ro­gan­te da­ma bur­gue­sa que sem­pre an­dou às tur­ras com o PT to­can­ti­nen­se, che­gou a exi­gir aos ber­ros que Had­dad re­nun­cias­se, pa­ra que Ci­ro fos­se à dis­pu­ta no se­gun­do tur­no.

Acre­di­to que Ci­ro tal­vez der­ro­tas­se Had­dad num se­gun­do tur­no. A ra­zão dis­so é sim­ples, To­dos nós, do cam­po de­mo­crá­ti­co e po­pu­lar, vo­ta­rí­a­mos ne­le com en­tu­si­as­mo. Mas a re­cí­pro­ca ja­mais foi ver­da­dei­ra. Gran­de par­te do elei­tor ci­ris­ta não vo­ta­ria no PT. Não vo­ta­ria por­que tam­bém é an­tipe­tis­ta. E mais adi­an­te mos­tra­re­mos por­que is­so acon­te­ce.

 

O an­tipe­tis­mo de
es­quer­da

O lei­tor me per­doe a di­gres­são, mas é ne­ces­sá­rio vol­tar no tem­po pa­ra des­co­brir as raí­zes do an­tipe­tis­mo de es­quer­da. Nos anos da an­te­rio­res à di­ta­du­ra mi­li­tar, a lu­ta so­ci­al no Bra­sil era con­du­zi­da em du­as ver­ten­tes: a tra­ba­lhis­ta e a co­mu­nis­ta. Ape­sar das di­ver­gên­cias dou­tri­ná­rias, as du­as cor­ren­tes co­o­pe­ra­vam uma com a ou­tra, eram uni­das na ação. Quan­do Jan­go caiu, tra­ba­lhis­tas e co­mu­nis­tas fo­ram re­pri­mi­dos com a mes­ma in­ten­si­da­de, as­sas­si­na­dos e ca­lu­nia­dos co­mo se fos­sem to­dos igua­is.

Pres­tes e Bri­zo­la, Ar­ra­es e Jo­ão Ama­zo­nas, os gran­des che­fes do mo­vi­men­to po­pu­lar do pas­sa­do, so­fram sur­pre­en­di­dos pe­la emer­gên­cia da li­de­ran­ça de Lu­la. Ele era um au­tên­ti­co e ca­ris­má­ti­co li­der po­pu­lar. Era fru­to dos mo­vi­men­tos so­ci­ais da igre­ja ca­tó­li­ca e do no­vo sin­di­ca­lis­mo. Ten­do li­de­ra­dos as gran­des gre­ves que abre­vi­a­ram o fim da di­ta­du­ra, e ten­do cri­a­do um par­ti­do nas­ci­do no chão das pra­ças, Lu­la foi mui­to mal re­ce­bi­do pe­los tra­di­cio­nais co­ro­néis da es­quer­da pá­tria.

De to­dos, Bri­zo­la foi o que mais o hos­ti­li­zou. Não se con­for­ma­va com per­der a li­de­ran­ça da­que­la fran­ja da es­quer­da di­ta tra­ba­lhis­ta, na­ci­o­nal-de­sen­vol­vi­men­tis­ta, que pu­nha o na­ci­o­na­lis­mo na fre­ne do so­ci­a­lis­mo. Mas Bri­zo­la, ci­u­mei­ras à par­te, ti­nha o gran­de sen­so de res­pon­sa­bi­li­da­de his­tó­ri­ca. Mes­mo re­lu­tan­te, es­te­ve com Lu­la em mo­men­tos cru­ci­ais da his­tó­ria. Mas os pe­de­tis­tas não per­do­a­vam a Lu­la o pe­ca­do de ter ti­ra­do de Bri­zo­la a chan­ce tão es­pe­ra­da de ser pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Os de­mais, Pres­tes, Ar­ra­es e Ama­zo­nas, aca­ba­ram en­tran­do em bons ter­mos com Lu­la. Ho­je, o PSB de Ar­ra­es e o PC do B são gran­des ali­a­dos.

O que os pe­de­tis­tas nun­ca per­do­a­ram em Lu­la foi a sua imen­sa ha­bi­li­da­de po­lí­ti­ca, a sua ca­pa­ci­da­de – ra­ra na es­quer­da tra­di­cio­nal bra­si­lei­ra – de re­cu­ar e avan­çar con­for­me a cor­re­la­ção de for­ças do mo­men­to. Bri­zo­la fi­cou fu­ri­o­so quan­do Lu­la es­cre­veu a “Car­ta aos Bra­si­lei­ros”. Mais ain­da quan­do es­co­lheu Mei­rel­les pa­ra o Ban­co Cen­tral. Ele es­cre­via to­dos os di­as, no Jor­nal do Bra­sil, seus fa­mo­sos ti­jo­la­ços pro­fe­ti­zan­do o ca­os. Su­as pro­fe­cias ja­mais se cum­pri­ram e os pe­de­tis­tas pru­den­te­men­te re­ti­ra­ram es­ses tex­tos de cir­cu­la­ção.

O ran­cor de Bri­zo­la em re­la­ção a Lu­la era ta­ma­nho que ele nem se co­rou de bus­car, pa­ra o PDT, o mai­or dos pe­le­gos bra­si­lei­ros, o Pau­li­nho da For­ça, ou da “far­sa Sin­di­cal”, um ele­men­to que de­pois vi­ria tra­ir mi­se­ra­vel­men­te o par­ti­do de Bri­zo­la.

De­pois da mor­te de Bri­zo­la, o PDT pas­sou a ser do­mi­na­do pe­la du­pla Car­los Lu­pi e Ma­no­el Di­as, an­ti­gos amar­ra-ca­hor­ros do li­der tra­ba­lhis­ta. Es­tão até ho­je no co­man­do da si­gla. Her­da­ram de Bri­zo­la um es­ta­tu­to cau­di­lhes­co que, na mi­nha ex­pe­ri­ên­cia de qua­se 10 anos de pe­de­tis­ta, su­fo­ca o par­ti­do e o im­pe­de de cres­cer. O PT, pra­ti­can­do uma es­can­da­lo­sa de­mo­cra­cia in­ter­na, se va­ci­nou con­tra os car­rei­ris­tas, os ar­ri­vis­tas e ou­tros ve­lha­cos da po­lí­ti­ca na­ci­o­nal. O PDT, ten­do co­mo úni­co pro­je­to a de­fe­sa do le­ga­do de Var­gas e a elei­ção de Bri­zo­la pa­ra pre­si­den­te, abriu su­as por­tas pa­ra to­do ti­po de gen­te sem com­pro­mis­so com o tra­ba­lhis­mo; gen­te que ape­nas bus­ca­va se ser­vir do PDT pa­ra de­pois o aban­do­nar. En­quan­to o PT apos­ta­va na in­ser­ção sem­pre mai­or no mo­vi­men­to so­ci­al em ge­ral, o PDT pra­ti­ca­va a ve­lha po­li­ti­ca dos con­cha­vos de cú­pu­la e, pas­sos lar­gos, aban­do­na­va o mo­vi­men­to so­ci­al. O PT trans­for­mou-se um um gran­de par­ti­do, o po­lo atra­ti­vo das for­ças po­pu­la­res e pro­gres­sis­tas, en­quan­to o PDT, so­bre­tu­do de­pois da mor­te de Bri­zo­la, ia ca­in­do na in­sig­ni­fi­cân­cia po­lí­ti­ca e elei­to­ral.

Es­te PDT que ago­ra co­bra au­to­crí­ti­ca do PT, não tem mo­ral pa­ra co­brar au­to­crí­ti­ca de nin­guém. Que fa­ça sua au­to­crí­ti­ca em pri­mei­ro lu­gar. O fra­cas­so do pro­je­to pe­de­tis­ta é cul­pa dos pe­de­tis­tas, e não do PT.

Lem­bro-me de uma ce­na hi­lá­ria. De­le­ga­do à con­ven­ção na­ci­o­nal do PDT, fui ao Rio, jun­to com Isau­ra Le­mos e Eu­ler Ivo, de­ci­dir se o Par­ti­do lan­ça­va a can­di­da­tu­ra de Cris­to­van Bu­ar­que, o ex-pe­tis­ta, cris­tão-no­vo do PDT, à pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca. Eu co­nhe­cia bas­tan­te o se­nhor Cris­tó­van pa­ra sa­ber que ele era ape­nas mais um ve­lha­co que­ren­do se dar bem. Lem­bro-me que eu e o gran­de in­te­lec­tu­al tra­ba­lhis­ta Ar­nal­do Mour­té vo­ta­mos con­tra Cris­tó­vão. Mas is­to não vem o ca­so. O que me cha­mou a aten­ção foi um tre­cho do dis­cur­so de Lu­pi. Ele con­tou que Lu­la o cha­ma­ra pa­ra con­ver­sar, mas, dis­se ele, não quis ir. “Sa­bem por quê? Por­que que odeio o Lu­la”.

Seu ódio a Lu­la pas­sou mui­to rá­pi­do. Bas­tou Lu­la ofe­re­cer o Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho pa­ra o PDT pa­ra que Lu­pi pas­sas­se a amá-lo. De­pois Lu­pi se en­vol­veu nu­mas ações pou­co edi­fi­can­tes e te­ve que dei­xar o Mtb. Mes­mo as­sim, o PTB re­te­ve o mi­nis­té­rio e lá fi­cou, atra­vés de Ma­no­el Di­as, até o fim do go­ver­no Dil­ma.

Lu­pi ame­a­çou ex­pul­sar quem vo­tas­se pe­la de­po­si­ção de Dil­ma. Não te­ve pei­to pa­ra ex­pul­sar nin­guém. Ago­ra mes­mo, can­di­da­tos a go­ver­na­dor pe­lo PDT de­cla­ram apoio a Bol­so­na­ro sem que a al­ta cú­pu­la do PDT di­ga uma só pa­la­vra de re­pro­va­ção. Mi­li­tan­tes do PDT, in­dig­na­dos di­an­te des­ta in­fâ­mia, é que vêm ten­tan­do a ex­pul­são des­ses trai­do­res. No Rio Gran­de do Nor­te, con­for­me ma­ni­fes­to já di­vul­ga­do, mui­tos di­ri­gen­tes do PDT vão vo­tar em Fá­ti­ma Be­zer­ra, do PT, co­mo for­ma de re­pú­dio à fe­lo­nia do can­di­da­to pe­de­tis­ta.

 

Ci­ro e o PT

Uma acu­sa­ção que os ci­ris­tas vêm fa­zen­do ao PT é que es­te traiu Ci­ro. De que for­ma? Em po­lí­ti­ca, trai­ção pres­su­põe a exis­tên­cia de um com­pro­mis­so, a que se che­ga de­pois de ne­go­ci­a­ções em que am­bas as par­tes tran­si­gem vi­san­do che­gar a um acor­do sa­tis­fa­tó­rio pa­ra am­bos. Tal acor­do nun­ca exis­tiu. O PT ja­mais se com­pro­me­teu com Ci­ro no que quer que fos­se. Ci­ro, por seu la­do, mos­trou-se iná­bil pa­ra con­se­guir al­gu­ma coi­sa do PT.

Ci­ro co­me­ça ata­can­do Lu­la por se lan­çar can­di­da­to à pre­si­dên­cia. “A can­di­da­tu­ra de­le é um des­ser­vi­ço ao Bra­sil”. Nos mo­men­tos de in­ten­sa per­se­gui­ção a Lu­la, Ci­ro man­te­ve-se lon­ge. Seu dis­cur­so vi­nha no sen­ti­do de que o PT ti­nha o de­ver de apo­i­ar a pos­tu­la­ção de Ci­ro. Ou, co­mo ele gos­ta di­zer, o PT te­ria que ser “le­va­do pe­lo bei­ço”. Ci­ro afas­tou-se do PT e foi fa­zer a sua cam­pa­nha ao seu mo­do. Quan­do Lu­la foi ata­ca­do a pe­dra­das e a ti­ro no Sul, li­mi­tou-se a ma­ni­fes­ta­ções pro­to­co­la­res de so­li­da­ri­e­da­de, Nun­ca con­ce­deu a lu­la a cor­te­sia de uma vi­si­ta a Cu­ri­ti­ba. De de­pois, caiu no chi­li­que quan­do Lu­la, com ha­bi­li­da­de, de den­tro da ca­deia cos­tu­rou a ali­an­ça com o PSB nor­des­ti­no, iso­lan­do Ci­ro.

Ci­ro vem, há dois anos, ado­tan­do uma es­tra­té­gia elei­to­ral er­ra­da. Can­sei de fa­lar dis­so com meus ami­gos pe­de­tis­tas. Po­lí­ti­ca se faz no chão da pra­ça, nas ru­as, nas ca­mi­nha­das, no meio do po­vão, olho no olho, ca­ra a ca­ra. En­quan­to Lu­la, e de­pois Had­dad, per­cor­re­ram os ca­mi­nhos do po­vo, en­fren­tan­do ti­ros e pe­dra­das, Ci­ro fa­zia pa­les­tra em au­di­tó­rios ele­gan­tes, al­guns no ex­te­ri­or, e co­lo­ca­va a coi­sa no Yo­u­tu­be.

Os­ten­ta­va co­nhe­ci­men­tos em eco­no­mia e his­tó­ria. Fez re­pu­ta­ção de “o mais pre­pa­ra­do”, vi­bra­va de pre­sun­ção e vai­da­de. Ele sa­bia que o a mai­or par­te do pro­le­ta­ri­a­do es­ta­va com Lu­la e o PT. En­tão ele bus­cou se­du­zir a pe­que­na bur­gue­sia, aque­la que não gos­ta­va do PT mas acha­va gros­sei­ros de­mais os mo­dos de Bol­so­na­ro. Fal­tou a Ci­ro vi­são de con­jun­to. O pro­le­ta­ri­a­do, na sua par­te con­sci­en­te, é do PT. A pe­que­na bur­gue­sia ra­di­ca­li­za­da e fa­na­ti­za­da – que eu cha­mo de ra­lé – es­ta­va des­de o iní­cio se­du­zi­da por Bol­so­na­ro. So­brou mui­to pou­co pa­ra ele, res­tan­do-lhe ape­nas as la­mú­rias sen­ti­men­ta­loi­des con­tra a “po­la­ri­za­ção da so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra”.

É mui­ta pre­ten­são de Ci­ro que­rer que seu con­cor­ren­te lhe fa­ci­li­te as coi­sas. É o mes­mo que exi­gir dos za­guei­ros do ti­me ad­ver­sá­rio que se ab­ste­nham de im­pe­dir nos­so cen­troa­van­te de chu­tar em gol. O PT pas­sou a ser cri­ti­ca­do por – que hor­ror! – pre­ten­der ob­ter o po­der, ga­nha­do as elei­ções. E foi se­ve­ra­men­te cen­su­ra­do por pre­ten­der exer­cer a he­ge­mo­nia do cam­po po­pu­lar – Ó céus! En­fim, faz-se ao PT aque­la crí­ti­ca que os pu­si­lâ­ni­mes fa­zem ao le­ão: ser car­ní­vo­ro. O PT é um par­ti­do car­ní­vo­ro, e por is­so os ve­ge­ta­ri­a­nos pe­de­tis­tas sen­tem-se des­con­for­tá­veis per­to de­le.

Ci­ro é ho­mem sem pa­la­vra. Dis­se, an­tes do 1° tur­no, que apo­i­a­ria Had­dad ca­so fos­se ele clas­si­fi­ca­do pa­ra dis­pu­tar com Bol­so­na­ro. Não cum­priu a pa­la­vra da­da. Fu­giu pa­ra o ex­te­ri­or, ale­gan­do can­sa­ço, e, vol­tan­do às vés­pe­ras do Plei­to, gra­vou um ví­deo se po­si­cio­nan­do em ci­ma do mu­ro, in­si­nu­an­do seus elei­to­res que es­ta­vam li­vres pa­ra vo­tar em Bol­so­na­ro. Aque­le Ci­ro que fa­la­va fran­ca­men­te, sem pa­pas na lín­gua, ago­ra se ex­pres­sa por enig­mas. Su­as pa­la­vras são dú­bias.

Eis o que Ci­ro es­cre­veu na úl­ti­ma se­gun­da fei­ra, em men­sa­gem a Bol­so­na­ro: “Fo­ra dis­to, nos en­fren­ta­rá, a to­dos nós que lhe mo­ve­mos opo­si­ção den­tro do mar­co da de­cên­cia e do es­pí­ri­to pú­bli­co. Es­sa opo­si­ção que nas­ce, não se con­fun­de com for­ças que só de­fen­dem a de­mo­cra­cia ao sa­bor de seus in­te­res­ses mes­qui­nhos ou cres­cen­te­men­te ines­cru­pu­lo­sos ou mes­mo des­pu­do­ra­da­men­te cri­mi­no­sos”.

“De­cên­cia”, “es­pí­ri­to pú­bli­co” – eis aí a tí­pi­ca ver­bor­ra­gia pe­que­no-bur­gue­sa de que o pró­prio Bol­so­na­ro tan­tas ve­zes lan­çou mão. Su­as in­si­nua­ções tem al­vo: o PT. Se quer par­tir pa­ra o es­cu­la­cho, por­que não dá lo­go no­me aos bois?

 

A he­ge­mo­nia Pe­tis­ta

Os que acu­sam o PT de pre­ten­der ser o par­ti­do he­ge­mô­ni­co den­tro das es­quer­das não sa­bem o que fa­lam. Na ver­da­de, fa­lam pe­los co­to­ve­los. Nem sa­bem o que é he­ge­mo­nia.

He­ge­mo­nia, gros­so mo­do, é o mes­mo que li­de­ran­ça co­le­ti­va. Den­tro des­ta cons­te­la­ção cha­ma­da “es­quer­da”, o PT tor­nou-se a for­ça he­ge­mô­ni­ca. Não tor­nou-se he­ge­mô­ni­co por­que te­nha com­pra­do a he­ge­mo­nia no ba­zar da es­qui­na. O PT cons­tru­iu a sua he­ge­mo­nia ao lon­go dos anos por­que sou­be ga­nhar a es­ti­ma do pro­le­ta­ri­a­do bra­si­lei­ro e aque­la par­te es­cla­re­ci­da da pe­que­na bur­gue­sia pro­gres­sis­ta. De uma pe­que­na sei­ta no iní­cio dos anos 80, evo­lu­iu pa­ra a con­di­ção de mai­or par­ti­do bra­si­lei­ro da atu­a­li­da­de. É úni­ca agre­mia­ção, jun­to com o Psol, que me­re­ce ser cha­ma­da de “par­ti­do”. O res­to são si­glas car­to­ri­ais pa­ra re­gis­trar can­di­da­tu­ras.

Por que o PDT não con­se­guiu ser he­ge­mô­ni­co? Não era a fal­ta de um lí­der, pois ti­nha um gran­de es­ta­dis­ta a li­de­rá-lo, Bri­zo­la. O PDT, e es­pe­ci­al­men­te Bri­zo­la, fi­ze­ram uma op­ção es­tra­té­gi­ca equi­vo­ca­da. Na ime­di­a­tis­mo da bus­ca pe­lo po­der, não de­ram mai­or im­por­tân­cia à cons­tru­ção do par­ti­do. O con­tro­le da le­gen­da, pa­ra efei­tos elei­to­ra­is, ti­nha pri­o­ri­da­de so­bre o res­to. E aque­las be­las pa­la­vras de Al­ber­to Pas­qua­li­ni, o ho­je es­que­ci­do fun­da­dor do tra­ba­lhis­mo bra­si­lei­ro, que pre­ten­dia fa­zer do ve­lho PTB um “mo­vi­men­to de opi­ni­ão pú­bli­ca”, fi­ca­ram no es­que­ci­men­to, Mas o PT, tal­vez sem o sa­ber, se­guiu o pla­no de Pas­qua­li­ni, fa­zen­do do PT não só uma le­gen­da elei­to­ral, mas aci­ma de tu­do um mo­vi­men­to de opi­ni­ão pú­bli­ca.

A op­ção pe­de­tis­ta por ser um par­ti­do elei­to­rei­ro, com um dis­cur­so su­pos­ta­men­te es­quer­dis­ta, deu nis­so aí. É, em ta­ma­nho, a 11a. Ban­ca­da da Câ­ma­ra. O PT é a pri­mei­ra. O PT e seus ali­a­dos ele­ge­ram mui­tos go­ver­na­do­res pe­lo Bra­sil afo­ra, es­ta­be­le­cen­do su­pre­ma­cia po­lí­ti­ca no Nor­des­te. O PDT não tem mais na­da. Num es­ta­do re­a­ci­o­ná­rio co­mo Go­i­ás, con­se­guiu fa­zer dois es­ta­du­ais e um fe­de­ral. Sua can­di­da­ta, Ká­tia Ma­ria, te­ve, em Aná­po­lis, a ci­da­de mais in­dus­tri­al de Go­i­ás, mais vo­tos que Jo­sé Eli­ton.

Pes­qui­sa Da­ta-Fo­lha in­for­ma que o PT é o par­ti­do mais que­ri­do do Bra­sil, den­tro da­que­le uni­ver­so de pes­so­as que acham im­por­tan­te a exis­tên­cia dos par­ti­dos. Lem­bran­do que o an­ti­pe­tis­ta tem aver­são a to­dos os par­ti­dos, até mes­mo pe­lo PSL de Bol­so­na­ro. O PT, de res­to, dis­pu­tou to­das as elei­ções pre­si­den­ci­ais no pós di­ta­du­ra, ten­do ven­ci­do qua­tro se­gui­das.

É es­te par­ti­do, que se tor­nou uma po­tên­cia elei­to­ral, que exer­ce, por aqui­es­cên­cia de uma gran­de par­ce­la da po­pu­la­ção bra­si­lei­ra, a he­ge­mo­nia do cam­po po­pu­lar, e por is­so é tão odi­a­do, in­ve­ja­do e com­ba­ti­do.

O PT, ou, os ver­me­lhos, ago­ra es­tão sob ame­a­ça fas­cis­ta. Bol­so­na­ro já ju­rou os pe­tis­tas de mor­te. Já dis­se que vai pren­der to­dos eles, sen­do que os que não qui­se­rem ir pa­ra a pri­são te­rão que se exi­lar. O ódio de­vo­ta­do por Bol­so­na­ro e seus elei­to­res ao PT é con­sa­gra­dor. É o re­co­nhe­ci­men­to de ser es­te o par­ti­do em que o pro­le­ta­ri­a­do vai se es­cu­dar nas lu­tas que vi­rão. Bol­so­na­ro não quer er­ra­di­car o MDB, o PSDB ou mes­mo o PDT. Ele quer des­tru­ir o PT e sua ali­an­ça. É uma fi­xa­ção neu­ró­ti­ca. Por que ele se ob­sti­na as­sim con­tra o PT? Por que é a úni­ca bar­rei­ra às su­as pre­ten­sões to­ta­li­tá­rias.

 

O se­nhor do cam­po

Mas, se o PT já ti­nha a he­ge­mo­nia do cam­po po­pu­lar, ele ago­ra é, tam­bém, a for­ça he­ge­mô­ni­ca do cam­po de­mo­crá­ti­co. Os ve­lhos par­ti­dos “de­mo­crá­ti­cos”, de cen­tro”, o MDB, o PSDB e o DEM, der­re­te­ram. Saí­ram des­sas elei­ções re­du­zi­dos a pó de tra­que. Mes­mo as­sim, al­guns de seus lí­de­res, co­mo es­te in­te­lec­tu­al de­ca­den­te cha­ma­do Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so, ain­da se acha em con­di­ções de fa­zer exi­gên­cias a Had­dad, em tro­ca de apoio. Co­mo se o apoio de FHC ti­ves­se al­gum va­lor. Nem Dó­ria o quer.

O MDB, to­tal­men­te des­mo­ra­li­za­do de nor­te a sul, ain­da re­te­ve al­gu­ma dig­ni­da­de em vir­tu­de da pos­tu­ra de Re­qui­ão e de Re­nan Ca­lhei­ros. O ve­lho “de­mo­cra­ta” Pe­dro Si­mon aca­ba se jo­gar sua bi­o­gra­fia na la­ta de li­xo de­cla­ran­do apoio a Bol­so­na­ro. Pa­ra al­guns de­mo­cra­tas, o ódio ao PT é mai­or que o amor à de­mo­cra­cia. Me­lhor ser per­se­gui­do ama­nhã por um di­ta­dor tres­lou­ca­do a fa­zer opo­si­ção a um pre­si­den­te gen­til, co­mo Had­dad. E fi­co me per­gun­tan­do o que Ulysses Gui­ma­rã­es – “nós odi­a­mos a di­ta­du­ra” – pen­sa­ria dos atu­ais pe­e­me­de­bis­tas se o vis­sem tra­ir seu le­ga­do. Fi­co pen­san­do em Má­rio Co­vas, que não ti­nha sim­pa­ti­as pe­lo PT, mas que su­biu no pa­lan­que de Lu­la con­tra Col­lor… o que ele di­ria des­te PSDB que aí es­tá.

O PT é a úl­ti­ma trin­chei­ra con­tra o fas­cis­mo no Bra­sil. Ata­cá-lo é abrir as por­tas aos ri­no­ce­ron­tes bol­so­na­ri­a­nos, aque­les ri­no­ce­ron­tes de que fa­la­va Io­nes­co em sua cé­le­bre pe­ça te­a­tral.

Ci­ro e seu ir­mão Cid Go­mes são dois mo­le­ques. Ne­gli­gen­ci­a­ram sua res­pon­sa­bi­li­da­de his­tó­ri­ca. O pri­mei­ro com seu fa­ni­qui­to na­que­la re­u­ni­ão pe­tis­ta; o se­gun­do, fu­gin­do pa­ra a Eu­ro­pa no mo­men­to em que sua pre­sen­ça era por de­mais ne­ces­sá­ria.

Ago­ra, é re­a­gru­par­mos nos­sas for­ças e ini­ci­ar a re­sis­tên­cia de­mo­crá­ti­ca. Os que qui­se­rem au­to­crí­ti­ca, fa­çam pri­mei­ro a sua, an­tes de exi­gir a dos ou­tros. Ti­re a tra­ve do seu olho an­tes de apon­tar o ar­guei­ro no olho do ir­mão. MDB e PSDB – e tal­vez o DEM – têm a op­ção de mar­char na ba­ti­da do tam­bor pe­tis­ta ou ade­rir a Bol­so­na­ro, jo­gan­do no li­xo o que so­brou se su­as gló­rias pas­sa­das. É bom ter ali­a­dos. Mas cer­tos ali­a­dos me­lhor fa­riam es­tar na trin­chei­ra do ini­mi­go do que na nos­sa.

A pre­ten­são de Ci­ro de li­de­rar a opo­si­ção, ago­ra, ain­da mais de­pois do pa­pe­lão que ele fez, ain­da mais de­pois da sua fal­se­ta, soa ri­dí­cu­la, tal­vez pa­té­ti­ca. Lem­bra o Pa­pa Le­ão que­ren­do par­ti­ci­par da con­fe­rên­cia dos lí­de­res que ven­ce­ram a Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al. Sta­lin cor­tou lo­go o ba­ra­to de­le per­gun­tan­do: “E quan­tas di­vi­sões tem o Pa­pa”? Quan­tas di­vi­sões tem Ci­ro? Qual é o ta­ma­nho da ban­ca­da de­le no Con­gres­so? Em quan­tos mu­ni­cí­pios ele ven­ceu?

O a mai­o­ria dos elei­to­res ele­geu Bol­so­na­ro pre­si­den­te, cer­to. Mas a mai­o­ria ele­geu Had­dad e o PT pa­ra co­man­dar a opo­si­ção. A opo­si­ção le­gí­ti­ma é a que o po­vo es­co­lheu. Quan­to a Ci­ro, ele es­co­lheu o pân­ta­no fé­ti­do da omis­são. Que fi­que lá, que sol­te a nos­sa mão. Fo­ra, Ci­ro!