Breaking news

EDIVAL LOURENÇO SERÁ O FUTURO SECRETÁRIO DA CULTURA DE GOIÁS

EDIVAL LOURENÇO SERÁ O FUTURO SECRETÁRIO DA CULTURA DE GOIÁS

Por Clenon Ferreira

Futuro secretário estadual de cultura , o escritor Edival Lourenço  tem  em mãos  importantes  desafios  para os próximos  anos  e muito trabalho  a fazer: recriar  a Secretaria Estadual da Cultura , extinta em 2014, e que foi compromisso de campanha o Governador eleito Ronaldo Caiado  (DEM) ;  dar manutenção  a programas de incentivo público , como a Ley Goyázes  e o Fundo de Arte e Cultura – este ainda convive com problemas  de repasses de quase 30 milhões  a proponentes de projetos  habilitados  dese 2015 – ; promover  a continuidade  de eventos já no calendário  anual de Goiás , como o Festival  Internacional  de Cinema  e Vídeo Ambiental  (Fica)  e o Canto da Primavera , ocupar espaços  públicos , como o Centro Cultural  Martim Cererê e o Teatro Goiânia, e finalizar as obras  inacabadas  o centro Cultural  Oscar Neynayer.

O trabalho  é extenso  e requer  atenção. Em entrevista Edival destaca a importância de se reorganizar  a Secult  e diz que é preciso levar a gestão cultural para o interior  do estado. Para ele é necessário que se explore melhor a música  sertaneja. “´Precisamos deixar  essa bobagem  de preconceito  e aproveitar  o sertanejo  de forma inteligente “. Aponta. Confira a entrevista.

 

O que representa a recriação da Secretaria Estadual da  Cultura?

 

Quando a Secretaria de Cultura  foi incorporada  à pasta  de Educação, em 2014,  nós da classe artística, em especial os escritores da União  Brasileira  de escritores, fizemos várias manifestações  para que a Secult não desaparecesse . Inclusive  fomos ao governador  da época conversar   e manter um ddiálogo  porque queríamos   a manutenção da secretaria. Ele nos avisou  que a gestão   se resolveria  dentro de uma superintendência. A Secretaria de Cultura um procedimento , tem uma velocidade  própria , os seus burocratas  estão ocupados  com um trabalho  que normalmente  delonga   mecanismos  mais complexos. O trabalho da Secult  e os seus processos  são mais rápidos  e menos complexos  e não precisa ter toddo aquele procedimento  lento que existe na secretaria  de Educação. A Secult faz com que os projetos  aconteçam de forma ágil, eficiente e transparente, com segurança jurídica , em ações implementadas, por meio dos mecanismos  dde incentivo  da pasta cultural.

 

De que forma o senhor avalia a mudança?

 

Os serviços  prestados  pelo estado   depois  da incorporação  das pastas ficaram  mais  morosos , mais burocráticos e obviamente   desagradáveis  de se pleitear  e executar  dentro da Seduce , ao contrário de quando era apenas  Secult. Eu avalio que essa criação  da pasta  foi uma tacada de mestre.

 

Como o senhor fica em relação   à UBE Goiás? Vai deixar a presidência?  O estaqtuto da UBE  prevê   que,  no impedimento   do presiente, o vice presidente  assuma o comando. O vice é o escritor Aidenor Aires , pessoa da mais alta confiança  do segmento cultural . Os projetos da UBE , como o Dia de campo,   e a Oficina de escrita criativa, vão permanecer funcionando  plenamente. A UBE hoje tem varas atividades  reconhecidas  nacionalmente  pelo o que ela vem realizando  nos últimos anos.

 

Como o senhor avalia a situação  da entidade  na produção  cultural  de Goiás? Nós implementamos várias ações  em Goiás  da UBE. A  entiade  tem  um espaço  bacana  que foi concedido  no primeiro governo  de Marconi Perillo (PSB),  mas ela estava  um pouco esvaziaa  na finalidade . Quano eu cheguei  lá, começamos a vizbilizar vários  projetos , como a Oficina da Escrita Criativa,  que eu acho o mais vistoso. Nós reunimos  durante o ano dez escritores  de peso  que passam  o dia conversano e trocando ecxperiências. As pessoas que  participaram , inclusive ganharam a Bolsa Hugo  Carvalho Ramos, que é outra  atividade  que a UBE  promove,  como  forma de premiar escritores.

 

 

No início do ano, O  Popular publicou  reportagem falanddo sobre atraso do pagamento da Bolsa Hugo de Carvalho Ramos . O problema foi solucionado?

 

Ele está seno resolvio. Ao longo dos anos  , a UBE tem tido  problemas com a gestão  a prefeitura  de Goiânia . Tem determinada  linha partiddária   que,  quano assume a prefeitura , deixam de pagar a bolsa. Foram três prefeitos que, em momentos ddiferentes  deixaram de pagar e que não deram  continuidade  ao pagamento , embora a lei ddiga o contrário,. O prefeito anterior, , por exemplo,  ficou quatro anos sem pagar , e realmente  é um problema muito desagradável , desgastante, chato. O prefeito atual está quitando o pagamento  e já estamos no final da regularização.

 

O senhor vai pegar uma área com problemas a serem enfrentados, como o caso Fundo de Arte  e Cultura de                 Goiás. Que tem R$ 30 milhões a serem pagos.                De que forma pretende solucionar isso?  Eum na condição de fututo  secretário, devo cumprir a lei. O edital 2018  está aberto por força  de lei,  assim como os pagamentos . Eu sei que o governador Ronaldo Caiado  está lutando diuturnamente  para organizar toddos os passivos   o Estado , inclusive os assuntos relacionados  à cultura . Não tenho informações  ainda de como isso  será viabilizado  e em que qual prazo , mas confiante na administração  o governo caiado. Com certeza,  esse será um problema   menor dentro   da administração  geral.

 

Outro gargalo   é a reforma  do centro Cultural  Oscar Niemeyer, que nunca funcionou  integralmente . Há solução para esse espaço público?

 

Você sabe que a obra pública  no Brasil  parece construção de padre:  começa e não termina ou demora demais  pra finalizar.  Brincadeira à parte,  com relação ao Oscar Niemeyer, eu consiero que é um espaço altamente importante  para abrigar  as áreas  da cultura  e acontecimentos  e eventos  artísticos.  Eu ainda tomarei  pé  da situação  da reforma  e penso  que o Oscar  Niemeyer precisa  ser  ocupaddo  de forma  nacional  e inteligente.

 

E sobre a ocupação e outros espaços   públicos, como  o Teatro  Goiânia e o Martim Cererê?

São todos espaços nobres  que comportam  diferentes manifestações  culturais . Eu entendo que são locais  que precisam  ser melhor aproveitados , como o teatro Goiânia.  O teatro tinha   de se especializar , por exemplo,  em peça de alta qualidae . Fazer uma seleção de grupos  e pessoas que poderiam  se apresentar  no seu palco , como um processo seletivo ou um edital , alguma forma  de selecionar que tipo  de trabalho  entraria no teatro  Goiânia.  Isso não é elitismo , mas sim, uma forma de valorizar  o espaço  cultural e histórico da cidade.

(Fonte: O Popular)