Breaking news

Prof. Júnior Geo propõe placas em braile nas estações rodoviárias para auxiliar deficientes visuais

Prof. Júnior Geo propõe placas em braile nas estações rodoviárias para auxiliar deficientes visuais

avaliar matéria

O deputado estadual professor Júnior Geo (PROS) apresentou na última semana, durante sessão ordinária na Assembleia Legislativa do Tocantins (AL-TO), requerimento que solicita a instalação de placas em braile que contenham as informações sobre as linhas de ônibus e seu roteiro de viagem nas estações rodoviárias do Estado do Tocantins.

O parlamentar afirmou que a intenção do projeto é promover a inclusão social, por estimular as normas de acessibilidade e direito das pessoas com deficiência. “É necessário tornar mais fácil o deslocamento de pessoas com deficiência visual que encontram dificuldades nesse tipo de serviço público”, destacou.

“Seria um avanço na autonomia, no sentido de ir e vir, para a pessoa com deficiência visual. Atualmente, falta essa liberdade para a pessoa ter acesso com qualidade as informações necessárias. O braile é um primeiro passo para trazer a independência da pessoa com deficiência visual no transporte público”, pontuou a jornalista, Caroline Reis, deficiente visual que residiu em Palmas durante 14 anos.

Dados

Conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no Brasil existem mais de 6,5 milhões de pessoas com deficiência visual, sendo 582 mil cegas e 6 milhões com baixa visão. Segundo a Organização Mundial da Saúde, as principais causas de cegueira no Brasil são: catarata, glaucoma, retinopatia diabética, cegueira infantil e degeneração macular.

Acessibilidade

O deputado também apresentou o Projeto de Lei que assegura a matrícula ao aluno com deficiência e aos filhos de pessoas com deficiência em escola da rede estadual de ensino que seja de sua escolha. Em Palmas, desde outubro de 2017, a Lei Municipal nª 2.359 garante esse direito às pessoas com deficiência. “Já aprovado no âmbito municipal, sugeri este projeto para o Estado com o objetivo de facilitar o acesso à escola, proporcionando às pessoas com deficiência o direito de estudarem perto de suas casas e, assim, evitarem o transtorno de se deslocarem para escolas longe”, ressalta Geo. (Da assessoria de imprensa)

 

COMENTÁRIOS

Os comentários nas matérias do CT devem ser postados nas redes sociais pelos links:

336x280ad