Breaking news
357076_700

Educação oferta curso de Magistério Indígena para 100 professores

Educação oferta curso de Magistério Indígena para 100 professores

 

Professora Lídia Soraya Barroso que preparou o material didático do curso, ministra a disciplina ‘Pesquisa de campo’ e ‘Metodologia cultural e diversidade’

Foto: Juliana Carneiro/Governo do Tocantins

 

05/07/2017 – Josélia de Lima/Governo do Tocantins

Começou na segunda-feira, 3, a 27ª edição do curso de Formação Inicial de Professores Indígenas do Tocantins, Magistério Indígena, que está sendo realizado no Centro de Ensino Médio Xerente (Cemix), na Aldeia Centro, na Terra Indígena Xerente, localizada no município de Tocantínia. Nessa etapa participam 100 professores.

Durante o curso, que será oferecido até o dia 28 de julho, haverá a solenidade de formatura para 12 estutandes. Até o momento, 268 professores concluiram o curso.

“Além da aprendizagem também é momento de integração entre indígenas de todos os povos e regiões do Estado”, contou Cleide Araújo Barbosa, gerente de Desenvolvimento da Educação Indígena da Secretaria da Educação, Juventude e Esportes (Seduc).

O curso faz parte do Programa de Formação de Professores Indígenas do Tocantins, e promove a formação de professores para atuarem na educação infantil e nos anos iniciais do ensino fundamental com o objetivo de atender as especificidades e exigências próprias dos povos indígenas.

“Embora a Educação Escola Indígena deva promover questões culturais de cada povo indígena e sua preservação, as vivências e contatos com o mundo dinâmico exige do professor uma abertura para aprender e aperfeiçoar suas técnicas e ferramentas pedagógicas para interagir por meio de seu próprio conhecimento e estabelecimento de novas conexões com o aprendizado e a interculturalidade”, comentou Cleide.

A professora Lídia Soraya Barroso ministra a disciplina ‘Pesquisa de campo’ para os alunos que estão em fase de conclusão do curso e ‘Metodologia cultural e diversidade’. Ela contou que preparou o material didático e disse que o curso está sendo uma oportunidade de troca de saberes entre os povos. “Os indígenas conhecem sua história, mas não conhece a história das outras etnias, e aqui, compartilhamos e discutimos a contribuição cultural de cada um e as metodologias que poderemos utilizar para transmitir esse conhecimento”, disse Lídia.

Educação oferta curso de Magistério Indígena para 100 professores 05/07/2017 – Josélia de Lima/Governo do Tocantins Juliana Carneiro/Governo do Tocantins  Começou na segunda-feira, 3, a 27ª edição do curso de Formação Inicial de Professores Indígenas do Tocantins, Magistério Indígena, que está sendo realizado no Centro de Ensino Médio Xerente (Cemix), na Aldeia Centro, na Terra Indígena Xerente, localizada no município de Tocantínia. Nessa etapa participam 100 professores. Durante o curso, que será oferecido até o dia 28 de julho, haverá a solenidade de formatura para 12 estutandes. Até o momento, 268 professores concluiram o curso. “Além da aprendizagem também é momento de integração entre indígenas de todos os povos e regiões do Estado”, contou Cleide Araújo Barbosa, gerente de Desenvolvimento da Educação Indígena da Secretaria da Educação, Juventude e Esportes (Seduc). O curso faz parte do Programa de Formação de Professores Indígenas do Tocantins, e promove a formação de professores para atuarem na educação infantil e nos anos iniciais do ensino fundamental com o objetivo de atender as especificidades e exigências próprias dos povos indígenas. “Embora a Educação Escola Indígena deva promover questões culturais de cada povo indígena e sua preservação, as vivências e contatos com o mundo dinâmico exige do professor uma abertura para aprender e aperfeiçoar suas técnicas e ferramentas pedagógicas para interagir por meio de seu próprio conhecimento e estabelecimento de novas conexões com o aprendizado e a interculturalidade”, comentou Cleide. A professora Lídia Soraya Barroso ministra a disciplina ‘Pesquisa de campo’ para os alunos que estão em fase de conclusão do curso e ‘Metodologia cultural e diversidade’. Ela contou que preparou o material didático e disse que o curso está sendo uma oportunidade de troca de saberes entre os povos. “Os indígenas conhecem sua história, mas não conhece a história das outras etnias, e aqui, compartilhamos e discutimos a contribuição cultural de cada um e as metodologias que poderemos utilizar para transmitir esse conhecimento”, disse Lídia.