Breaking news
17219251

Mostra Mundo Árabe de Cinema exibe filme inédito sobre migração ao Brasil

Mostra Mundo Árabe de Cinema exibe filme inédito sobre migração ao Brasil

Divulgação
Cena de filme libanês 'Para Onde Ir?', que abre a Mostra Mundo Árabe de Cinema
Cena de filme libanês ‘Para Onde Ir?’ (1957), que abre a Mostra Mundo Árabe de Cinema

DIOGO BERCITO
DE JERUSALÉM

“Onde é o Brasil, papai?”, pergunta o garoto. “Longe”, responde o pai, em um pedregoso vilarejo libanês. “É tão grande quanto o nosso país?”. “Mil vezes maior.”

O diálogo dá início ao longa “Ila Ayn” (1957), de Georges Nasser, que concorreu em Cannes com “O Sétimo Selo” de Ingmar Bergman.

O filme sobre a migração de um libanês ao Brasil é exibido pela primeira vez no país nesta quarta (9), na estreia da 12ª edição da Mostra Mundo Árabe de Cinema, organizado pelo Instituto da Cultura Árabe.

“Ila Ayn” –”Para Onde Ir?”, em português– é um dos destaques desse evento, que estabelece neste ano um vistoso diálogo com o Brasil.

O enredo toca, pois se parece com as trajetórias de diversas famílias brasileiras. Foi do Líbano que saiu o pai do presidente Michel Temer, por exemplo, e são de lá os antepassados de Fernando Haddad e de Paulo Maluf.

A pergunta do garoto sobre as dimensões brasileiras está ligada a um fio condutor da mostra: a ideia de território. Não só a terra, mas também origens, identidade e memória, explica o curador Geraldo Campos. Os laços árabes com a terra também se emaranham a uma das vocações da mostra: a produção palestina.

“Aparece frequentemente na arte palestina essa duplicidade da ‘presença ausente’”, diz. “O cinema palestino é, por natureza, sobre a diáspora, e essa reflexão sobre o território tem aparecido com mais força no cinema árabe.”

ARQUEOLOGIA

O cinema árabe tem discutido também, cada vez mais insistentemente, sua a própria memória. Cineastas têm fuçado arquivos em busca de uma nova história nacional.

O esforço mais impressionante, nesse sentido, é o do palestino Mohanad Yacubi, cujo “Fora de Quadro” (2016) vem também à mostra árabe. A obra costura diversas cenas do cinema militante palestino, dos anos 1960 aos 1980.

Yacubi revirou centros de documentação ao redor do mundo e escavou negativos perdidos, trazendo episódios desconhecidos do cinema.

Cavoucou documentos, investigou os créditos dos poucos filmes disponíveis e buscou quem participou da produção. Um fio puxou outro, e Yacubi seguiu o caminho dos negativos, que viajavam pelas mesmas rotas das armas contrabandeadas, revelados em Beirute, Paris e Roma.

Foram oito anos de pesquisa, nos quais Yacubi diz ter se conectado à memória palestina –e ao fracasso político daquela memória específica, militante, diluída pelo tempo. “Os palestinos tinham esperança”, afirma à Folha, “e os cineastas usavam as câmeras em vez das armas, nessa euforia de que poderíamos vencer como povo e controlar nosso destino.”

VOLTAREMOS

O exercício de Yacubi e de outros cineastas, diz o curador Campos, é um esforço de organizar a própria narrativa.

“Esse momento de investigar arquivos é uma das coisas mais interessantes do cinema palestino. Há uma percepção muito clara do papel que os documentos têm para a identidade.”

Essa história se cruza, mais uma vez, com o Brasil. Em 1980, quando o cinema militante palestino ainda era produzido, uma delegação brasileira viajou ao Oriente Médio e se reuniu, no Líbano, com Yasser Arafat.

As imagens foram reunidas naquele ano em “Sanaud” (“Voltaremos”), dirigido por José Antonio de Barros Freire. O documentário está na mostra.

VERSOS DO REI

A Mostra Mundo Árabe de Cinema será acompanhada pelos poemas de um rei sevilhano: Al Mu’tamid, que reinou no século 11 no que era um território muçulmano na atual Espanha.

O festival traz à Sala São Paulo espetáculo musical com versos declamados em espanhol, português e árabe –três culturas influenciadas por aquele monarca.

“Al-Mu’tamid, poeta rei do Al-Andalus” é inédito no Brasil, e foi produzido em uma parceria entre a Fundação Osesp, a Câmara de Comércio Árabe-Brasileira e o Instituto de Cultura Árabe.

“A mostra trata da relação com o território, e o espetáculo se encaixa bem, discute a noção de civilização”, diz o curador Geraldo Campos.

“É uma noção que vai se desfazendo no trajeto entre Portugal, Espanha e Marrocos. Você olha a paisagem, os tipos humanos e a arquitetura e já não sabe mais o que está vendo”, afirma. (DB)

AL-MU’TAMID, POETA REI DO AL-ANDALUS
QUANDO 12/8, às 22h
ONDE Sala São Paulo (pça. Júlio Prestes, 16, Luz)
QUANTO ingressos esgotados

*

Confira outros filmes para ver no festival:

FORA DO QUADRO (2016), de Mohanad Yaqubi
Documentário sobre a história e o desenvolvimento do cinema militante no Oriente Médio
QUANDO 11 e 14/8

SANAÚD: VOLTAREMOS (1980), de José Antonio de Barros Freire
Em 1980, delegação brasileira é recebida no Líbano por Yasser Arafat
QUANDO 11 e 14/8

3.000 NOITES (2015), de Mai Masri
Jovem professora palestina é presa em Israel após ser acusada falsamente. Inédito no Brasil
QUANDO: 11/8 (19h)

YAMO (2011), de Rami Nihawi
Um retrato da Guerra Civil do Líbano e seus efeitos na memória e no cotidiano do país. Inédito no Brasil
QUANDO 10 e 13/8

PARA ONDE IR? (1957), de Georges Nasser
Um dos primeiros clássicos do cinema libanês, mostra homem que larga a família para viajar ao Brasil
QUANDO 9 e 13/08

*

12ª MOSTRA MUNDO ÁRABE DE CINEMA
QUANDO de 9 a 16 de agosto
ONDE Cinesesc (r. Augusta, 2.075, tel. (11) 3087-0500)
QUANTO R$ 12