CIRO GOMES, OPORTUNISTA E VULGAR

ARTIGO

Ciro Gomes afinal vai se revelando um oportunista vulgar. Ele quer alança com o DEM e o PSDB, partidos neo-liberais. Abandonou o campo da centro-esquerda, os progressistas, para se abrigar junto ao conservadorismo. E o PDT, partido que sempre se disse de esquerda, segue junto. Se Brizola fosse vivo, isto não aconteceria.
Ciro não só caiu para a direita como também passou a atacar os líderes da esquerda. Ataques de cunho pessoal, injuriosos, gratuitos.
Ele deve achar que, por esse caminho chegará à Presidência da República.
Pode ate chegar. Mas, com essa gente, sua plataforma desenvolvimentista vai para o ralo. É duvidoso que o DEM e o PSDB vão permitir que ele mude o status quo neoliberal. Não vão.
O PSDB chegou ao poder em aliança com o PFL, hoje conhecido por DEM. Trocou a sua agenda social-democrática pela agenda do PFL e o FMI. Com isso, perdeu substância, descaracterizou-se.
Fernando Henrique fez um dos piores governos deste país. Sua obsessão s era a responsabilidade fiscal e a austeridade nas contas públicas. As obras de infraestrutura de que o país necessitava seriam empreendidas por Lula. Sob FHC, a ferrovia Norte-Sul avançou apenas 200 quilômetros. Lula fez chegar os trilhos até Anápolis, construindo mais de 900 quilômetros de via férrea.
DEM e PSDB têm aversão ao desenvolvimentismo. O negócio deles é defender o capital financeiro e privatizar tudo que for possível. São entreguistas e hostis a políticas sociais. É com essa gente que Ciro quer governar? E onde foi parar o seu discurso nacional-desenvolvimentista?
A esquerda brasileira sempre foi nacional-desenvolvimentista. Mas Ciro prefere hostilizar aqueles que com ele tem afinidades ideológicas e busca alianças com quem se opõe à sua ideologia. É um tonto, um insensato.
Poer enquanto, Ciro e a direita estão só namorando. É duvidoso qu . É duvidoso que daí saia casamento. O DEM foi partido que teve o melhor desempenho últimas eleições. Pode querer lançar candidato próprio. Rodrigo Maia é um nome competitivo. O PSDB pode sair com Dória. E aí Ciro fica isolado e sem força, já que queimou suas pontes com a esquerda. O homem é ruim de estratégia e ruim de voto. Tem tudo para repetir o fiasco de 2018.
A busca do poder por meios legítimos é da essência da política. Partido que renúncia ou abdica da luta pelo poder não tem razão de ser.  A busca pelo poder pressupõe a disputa pela hegemonia. Todo partido deve buscar a hegemonia de seu campo, a menos que acredita poder chegar ao poder sozinho, o que é tolice.
Partidários de Ciro Gomes acreditam que ele deve liderar as oposições, como se tivesse ele o direito divino de liderar. Quantas pretensão! Um líder não se impõe: é aceito e aclamado.
Em que se fundamenta a pretensão cirista à hegemonia? No fato dele ser culto? Ser um homem com um infalível receituário para a cura dos problemas brasileiros? Nos seus lindos olhos azuis?
Na guerra, lidera quem tem maior poder bélico. Na política, lidera quem tem mais votos. Quantos votos a Ciro tem? Qual é o tamanho da bancada dele no Congresso? Quantos governadores ele elegeu? Comparada a força política por trás de si com a que empurra o PT e seus aliados de esquerda, Ciro é quase o exército de um homem só. É o mosquito que queria ter osso.